Carga ancestral

Como lidar com a luta interna para não repetir o comportamento dos antepassados?

Já faz um tempo que virou meio moda constelar. Uma prática que não domino e sequer investiguei, mas que analisa com uma técnica que parece misturar e confundir escritas best-sellers de autoajuda com teorias de mediunidade, também bem aceitas pelas massas – e pelas editoras. Enfim, fiz uma sessão e já rotulei assim. Em tempo: não tenho paciência pro tal gênero literário. Veio também os monólogos de reflexão disponíveis a rodo em formato de podcast, algo meio pandêmico, não só por ter se disseminado paralelamente ao Novo Corona Vírus.

O ponto nem é o que constelei, li ou ouvi. De fato, nem sei o que rolou ali comigo e a bem-intencionada terapeuta em uma sessão online. Não sei se posso chamá-la assim e desculpe se pensar isso é uma ofensa a ela ou a quem faz questão de classificar corretamente o título. Dos livros citados pouco absorvi ou lembro, diferentemente dos recentes discursos quase infindáveis de análise comportamental, mesmo que role uma identificação naquela falação com exemplos e casos reais com dúvidas e atitudes de pessoas que nem sei se existem.

Esse preâmbulo é pra deixar claro como é raso meu conhecimento em psicanálise, mas que agora me faz refletir sobre um ponto em comum, que também foi mencionado pela minha única psicanalista da vida, uma profissional esperta e que usa uma astuta técnica que não passa de 15 sessões. Achei mais eficiente que mudez do meu psiquiatra, do qual me dei alta antes do sexto ou sétimo encontro em um tempo já distante, na minha transição pra vida adulta.

 O tal ponto em comum é uma tal carga ancestral supostamente imposta em nosso destino. Nunca dei muita bola por acreditar que eu faço meu caminho baseado nos meus aprendizados e nas minhas convicções. Uma pista sobre isso? Um lamento revoltado pelo ambiente em que cresci: machista, homofóbico, racista. Parecia algo introjetado àquele núcleo familiar, enviesado por uma sociedade com as execráveis características. Sempre me incomodei e naturalmente me afastei. Jamais acreditei que isso esteja intrínsico a mim. Não está.

 Entretanto, a crença nessa carga e a luta por não repetir o comportamento dos seus – ou melhor, das suas – controla as atitudes de uma pessoa que me identifiquei demais e com a qual vislumbrei passar todos os dias restantes da minha vida até ficarmos velhinhos fazendo umas bruxarias em alguma horta isolada, tamanha a afinidade que demonstramos.

O empenho dela em evitar a repetição do comportamento das mulheres que a antecederam na árvore genealógica é muito real. E o medo de que eu seria mais um dos que desgraçaram a vida dessas mulheres a fez me evitar claramente e me jogou à tona num parafuso de pensamentos sobre o qual veio tanto aperto que espanei. Sim, como acontece com o objeto de fixação, tive a cabeça danificada por uso excessivo ou aplicação incorreta.

Agora estou aqui pensando que, sim, se isso for sistêmico, ela está mais do que certa.

Ela, a podcaster que ela me recomendou, a consteladora, os Shinyashikis da vida, a terapeuta… E eu tô fudido. Se não tiver rédea que evite isso e eu for fadado a repetir o comportamento dos meus ancestrais, eu tô acabado. E quem compartilhar a vida comigo estará numa pior.

Aquele ambiente que citei da minha infância atormenta. Penso nos meus antepassados e fico embrulhado, num misto de vergonha e revolta, algo que só piora quando começo a imaginar aqueles homens que nem conheci de uma genealogia putrificada. O machismo e a homofobia eu vi de perto, somado a um racismo velado típico do brasileiro, o que é também abominável. E quão mais desprezível é essa carga se formos mais a fundo?

Não consigo lidar ao pensar numa raiz que pode ter brotado das piores espécies de um Portugal colonizador ou de uma região do puro chorume da humanidade, concentrado ali entre o Norte da Itália e o Sul da Áustria.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s